Inflação da baixa renda recua 0,25% em novembro

<

baixa renda 05_12_18

O Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1 (IPC-C1), considerado a inflação da baixa renda,  de novembro caiu 0,25%, ficando 0,78 ponto percentual (p.p.) abaixo de outubro, quando o índice registrou variação de 0,53%, segundo dados da Fundação Getulio Vargas (FGV). Com o resultado, o indicador acumula alta de 3,84% no ano e 3,80% nos últimos 12 meses.

 

O indicador é usado para mensurar o impacto da movimentação de preços entre famílias com renda mensal entre um e 2,5 salários mínimos.

 

Em novembro, o IPC-BR caiu 0,17%. A taxa do indicador nos últimos 12 meses ficou em 4,24%, nível acima do registrado pelo IPC-C1.

 

Sete das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram decréscimo em suas taxas de variação:

– Habitação (-0,11% para -1,10%);

– Alimentação (1,17% para 0,34%);

– Transportes (0,71% para -0,42%);

– Saúde e Cuidados Pessoais (0,38% para -0,17%);

– Vestuário (0,73% para 0,14%);

– Educação, Leitura e Recreação (0,37% para 0,27%), e

– Comunicação (0,12% para 0,07%).

Nestes grupos, os destaques partiram dos itens tarifa de eletricidade residencial (-0,91% para -6,04%), hortaliças e legumes (19,51% para 11,54%), gasolina (1,96% para -2,96%), artigos de higiene e cuidado pessoal (0,83% para -1,10%), roupas (0,97% para 0,29%), artigos esportivos (1,54% para -1,52%) e mensalidade para TV por assinatura (0,33% para 0,00%).

 

Em contrapartida, apenas o grupo Despesas Diversas (-0,03% para 0,03%) apresentou acréscimo em sua taxa de variação. Nesta classe de despesa, destaca-se o item alimentos

Esta entrada foi publicada em Notícias & Comentários. Adicione o link permanente aos seus favoritos.